Acessar App StoreAcessar Google Play

Treinos HIIT auxiliam na queima de gordura abdominal


Como esclarecido no texto sobre o estresse e exercício, com certeza se você iniciar seu treino estressado, naqueles dias em que você discutiu com seu chefe, seu namorado, enfim, tudo isto pode arruinar seu treino, principalmente se acontecer frequentemente.

Agora, se você tem um autocontrole que te favorece, que ótimo! Então, o seu único estresse do dia será seu exercício! “Meu Deus!!! Como assim? Meu exercício me deixará estressado???” O estresse é resultado de um montante de processos metabólicos que podem estar acelerados ou debilitados. Em situações de estresse emocional, a descarga desnecessária de hormônios estressores é gigante, fazendo com que você desregule seu corpo todo!!! O estresse do exercício é um estresse do bem. Que faz com que seu organismo trabalhe mais e traga benefícios para ele.

Conseguiu diferenciar?

Hoje não estou falando do estresse que você quer gritar e sim do estresse do bem, interno, que acontece quando realiza o exercício.

Quando iniciamos o exercício nosso organismo libera hormônios estressores, como catecolaminas (adrenalina e noradrenalina) e cortisol. Estes hormônios são responsáveis por diversas modificações fisiológicas para um estado que chamamos de “alerta ou fuga”.

Adrenalina

Estudos mostram que a elevação considerável de adrenalina no início de exercícios, principalmente intervalados e de alta intensidade, auxiliando na queima de gordura, principalmente a abdominal.

Estudos

Um estudo realizado em 2014 e publicado pelo Jornal de Fisiologia, mostrou que o aumento de adrenalina circulante estava diretamente relacionado a uma ação antilipolítica, mostrando um aumento da lipólise (quebra da gordura). Estes resultados explicam o porque as mulheres têm uma maior lipólise/oxidação de gordura durante o exercício, apresentando um nível elevado de adrenalina.

Uma outra pesquisa de 2015, publicada pela Metabolismoenfatiza que uma superprodução de adrenalina pode levar a quadros de hipertensão, intolerância a glicose e dislipidemias. Porém, quando o exercício é realizado de forma supervisionada, havendo o controle adequado da frequência cardíaca, mostra-se que, pela primeira vez, as catecolaminas (adrenalina e noradrenalina) podem regular, efetivamente, os níveis de HDL-colesterol e massa de gordura visceral e abdominal subcutânea.

Considerações

  • Exercícios intervalados de alta intensidade liberam uma quantidade significativa de catecolaminas, fazendo com que a energia seja liberada por meio da quebra de células de gorduras. Nos intervalos, a energia liberada é utilizada pelo organismo, “queimando, efetivamente, a sua querida gordura. Por este motivo, quando optamos por este tipo de exercício, conseguimos resultados promissores na queima de gordura abdominal.
  • Principalmente em exercícios intensos, com a liberação de catecolaminas, é gerado um estado de aceleração metabólica, que é mantido por várias horas após o exercício. Como este tipo de exercício costuma durar pouco tempo, por conta da frequência cardíaca elevada, a liberação do cortisol (hormônio do estresse) acontece em uma menor proporção.

Referências:

  1. Estudo que mostra a ação da adrenalina sobre a queima de gordura.
  2. Estudo da adrenalina como sinalizadora da queima de gordura abdominal.

//Artigos relacionados