Acessar App StoreAcessar Google Play

Dicas de exercícios e alimentação para quem sofre com problemas no coração


As doenças cardiovasculares são uma das grandes causas de mortes nos países desenvolvidos e em desenvolvimento. Deve-se, então, dar atenção a necessidades de intervenções nas populações como forma de tratamento e prevenção.

A genética e a idade são fatores que temos que levar em consideração na prevalência da doença. Por isto, é necessário sempre de um histórico familiar de doenças e atentar-se que quanto mais velho, maior o risco.

Assim, as doenças cardiovasculares como, por exemplo, a insuficiência cardíaca, coronariopatias e valvulopatias, melhoram com pequenas mudanças de hábitos alimentares e modificações no estilo de vida. VOCÊ DEVE CUIDAR DO SEU CORAÇÃO!

A insuficiência cardíaca é causada por diversas alterações estruturais e funcionais, seja por comprometimento da contratilidade do coração, por sobrecarga de pressão/volume ou por distúrbios do enchimento do ventrículo.

O treinamento físico reduz a atividade simpática que está elevada na insuficiência cardíaca, sendo que a tolerância ao exercício ocorre por meio de adaptações funcionais.

Já um exemplo de coronariopatia é a aterosclerose, que é uma doença inflamatória crônica na qual ocorre formação de “placas” dentro dos vasos sangüíneos.

A redução desta doença ocorre com dietas com baixo teor de lipídios (hipolipídicas), medicamentos e atividades físicas. Com a prática de exercícios aeróbios, por exemplo, ocorre a remoção do colesterol ruim (LDL) e auxilia na formação de novos vasos no coração, sendo que as melhoras ocorrem no decorrer do tempo.

As valvulopatias são um conjunto de doenças relacionadas as válvulas cardíacas, podendo ser os “defeitos” causados pela insuficiência da válvula (não se fecha adequadamente no momento certo, ocorrendo um refluxo sangüíneo) ou pelas estenoses (quando acontece uma resistência ao fluxo). Um dos sinais mais comuns desta doença é o sopro cardíaco.

Durante a prática de exercícios é importante sempre manter a freqüência cardíaca na zona alvo (explicarei aqui no Kilorias como calcular) para que esta não aumente acentuadamente a ponto de causar algum distúrbio no exercício.

Nutrição

Para os portadores de doenças cardiovasculares, é importante uma nutrição adequada.

O consumo de vegetais, frutas, grãos integrais, fibras alimentares, antioxidantes e outras substâncias são essências na prevenção e controle de doenças cardiovasculares, como por exemplo, na redução de risco do infarto.

Assim, é recomendado a manutenção do peso saudável, auxiliado pela atividade física regular e consumo moderado de gorduras, EVITANDO o consumo excessivo de calorias.

Exercício Físico

O exercício físico regular atua na prevenção e controle destas doenças, influenciando quase todos os seus fatores de risco, e, associada as modificações na alimentação, deveria ser meta prioritária nos programas de prevenção.

A intensidade e duração de exercícios estão relacionadas entre si e devem ser de 150 minutos a 300 minutos por semana ou com um gasto maior ou igual a 2000 quilocalorias por semana em atividades físicas.

Observação: Deve-se ressaltar que a melhora da forma física em atividades de menor intensidade e maior duração é similar a outras de maior intensidade e menor duração, SOMENTE se o gasto calórico for equivalente em ambas.

Os programas que enfatizam atividades físicas moderadas com duração mais longa são recomendáveis para a maior parte dos adultos, já que grande parte destes são sedentários.

Ainda que o exercício aeróbio seja o mais prescrito para redução e prevenção das doenças cardiovasculares, o exercício contra resistência é cada vez mais indicado, sendo especialmente benéfico no controle de pessoas mais velhas, que comumente são afetados devido à perda de massa magra. Este programa de exercícios tem que ser progressivo, sendo de velocidade lenta a moderada, de uma a três séries, com oito a doze repetições e com intervalo de um a dois minutos entre as séries.

Por fim, para que a atividade física seja realmente positiva, é necessária a combinação da freqüência, intensidade e duração do exercício, assim como o planejamento de um programa que inclua atividade aeróbias, contra resistência, flexibilidade e uma dieta orientada e saudável. Além de ser imprescindível a orientação médica e supervisão de um profissional de educação física especializado.

Um dos testes que utilizamos para avaliar se o indivíduo pode ter problemas no coração é o Par-Q:

Teste Par-Q:

1 – Seu médico já disse que você possui um problema cardíaco e recomendou atividades físicas apenas sob supervisão médica?

Sim  (   )      Não  (   )

2 – Você tem dor no peito provocada por atividades físicas?

Sim  (   )      Não  (   )

3 – Você sentiu dor no peito no último mês?

Sim  (   )      Não  (   )

4 – Você já perdeu a consciência em alguma ocasião ou sofreu alguma queda em virtude de tontura?

Sim  (   )      Não  (   )

5 – Você tem algum problema ósseo ou articular que poderia agravar-se com a prática de atividades físicas?

Sim  (   )      Não  (   )

6 – Algum médico já lhe prescreveu medicamento para pressão arterial ou para o coração?

Sim  (   )      Não  (   )

7 – Você tem conhecimento, por informação médica ou pela própria experiência, de algum motivo que poderia impedí-lo de participar de atividades físicas sem supervisão médica?

Sim  (   )      Não  (   )

RESPOSTA: Uma marcação POSITIVA (sim) é suficiente para procurar um médico. Você pode ter algum problema cardiovascular e ainda não sabe. Evite o problema procurando ajuda de um profissional!


//Artigos relacionados